Problemas ambientais urbanos e aspectos em Londrina

Fonte: https://www.paiquere.com.br/lixo-nas-ruas-de-londrina/

Atualmente, a preocupação em relação aos problemas ambientais urbanos é cada vez maior. Com isso, os consumidores buscam cada vez mais por empresas sustentáveis e entendem que elas têm um papel muito importante na diminuição desses graves problemas que assombram o nosso cotidiano e a nossa saúde.

A cidade de Londrina (PR) é considerada sustentável, pois, entre outros motivos, se destaca na política de coleta de lixo. Porém, essa não é uma realidade observada na maior parte do país, então, é essencial que as empresas procurem medidas para diminuir os impactos ambientais, além disso ser uma ótima vantagem para o seu negócio e o seu Marketing Verde.

Portanto, mostraremos a seguir, quais são os principais problemas ambientais urbanos e como a sua empresa pode atuar, fazendo a diferença no mercado.

  • Alagamentos

O primeiro problema ambiental urbano é decorrente da urbanização descontrolada das cidades a qual ocasiona os alagamentos e agravamento de enchentes e inundações. Explicando melhor, os alagamentos são acúmulos de água em regiões urbanas sem drenagem. Essa falta de escoamento também pode problematizar enchentes e inundações, as quais são causadas pelo próprio curso hídrico (rios e lagos). Portanto, as duas últimas citadas são naturais mas podem ser agravadas por ações humanas!

Fonte: https://www.infoescola.com/hidrografia/enchentes-no-brasil/#:~:text=As%20enchentes%2C%20inunda%C3%A7%C3%B5es%20e%20alagamentos,ap%C3%B3s%20um%20per%C3%ADodo%20de%20cheias.

Enfim, quais são os geradores desse problema? Os fatos que ocorreram a partir do processo de urbanização da humanidade, como: impermeabilização de grandes áreas (cidades/asfalto), ocupação inadequada (perto de lagos e rios), o que também leva a falta de infraestrutura de drenagem de água, e a destinação incorreta de resíduos

Esses problemas somados admitem que ocorra alagamentos, e junto, a piora de enchentes e inundações, mesmo que não haja uma quantidade considerável de chuvas. 

Mas sempre existem meios para diminuir a frequência desses problemas. Um deles é a  drenagem urbana onde podemos agrupar os elementos que compõem um sistema de drenagem urbana em: pavimentos das ruas; guias e sarjetas; bocas de lobo; galerias de drenagem; sistemas de detenção e infiltração nos lotes e pavimentos; trincheiras e valas.

Um adequado sistema de drenagem, portanto, proporciona uma série de benefícios, tais como: 

  • redução de gastos com vias públicas e sua destruição; 
  • valorização das propriedades existentes na área beneficiada;
  • redução de danos às propriedades e do risco de perdas humanas;
  • eliminação da presença de águas estagnadas e lamaçais, focos de doenças;
  • entre outros milhares de benefícios.

Podemos citar um termo que define o conjunto de localidades em que se observa o escoamento da água, como bacia hidrográfica urbana. Nela, deve-se avaliar a vazão e a necessidade de delimitar a impermeabilização de terrenos.

Além disso, existe outro grande agravador da situação, não só relacionado à alagamentos: os Lixos Urbanos.

  • Lixos urbanos

O avanço do consumismo combinado com esse acelerado crescimento das cidades causa vários problemas ambientais, os lixos urbanos são um deles.

Eles podem ser divididos em lixo domiciliar, industrial, hospitalar e eletrônico, o qual é considerado o “lixo do século” com produção mundial de 53,6 milhões de toneladas em 2019, batendo o recorde.

Lixo eletrônico
Fonte: https://ciclovivo.com.br/planeta/meio-ambiente/brasil-e-o-pais-com-maior-descarte-de-lixo-eletronico-da-america-latina/

Ainda se tratando de números alarmantes, segundo a Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (Abrelpe), em 2018, foram geradas no Brasil 79 milhões de toneladas de resíduos sólidos urbanos e, de acordo com a ONU Meio Ambiente, o Brasil é o país que mais gera entre os países da América Latina, representando 541 mil toneladas/dia, o que corresponde a 40% do total gerado nessa região. Isso é muita coisa!

Mas afinal, para onde vai todo esse lixo? Infelizmente, a destinação final dos resíduos nem sempre ocorre de maneira adequada. Um exemplo nítido são os lixões. Nele, os resíduos são depositados no solo a céu aberto sem nenhum controle ambiental ou sanitário, causando contaminações da água, do solo e do ar, além de riscos à saúde pública. No Brasil, lamentavelmente, os lixões ainda não foram erradicados e existem em uma quantidade considerável.

Lixão
Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Lix%C3%A3o

Uma opção mais adequada seriam os aterros que, teoricamente, deveriam ser um local seguro para a disposição final dos rejeitos (resíduo que não pode ser reciclado ou reaproveitado), mas a realidade é outra, pois se trata de um processo caro de ser realizado.

Aterro sanitário
Fonte: https://www.agenciabrasilia.df.gov.br/2017/01/17/aterro-sanitario-de-brasilia-comeca-a-funcionar/

Então, quais seriam as melhores alternativas para destinação dos resíduos urbanos? 

Uma possibilidade é a realização da coleta seletiva, em que os resíduos com características similares são selecionados pelo gerador (cidadão, empresa ou outra instituição) e disponibilizados para a coleta separadamente.

Outra alternativa é a realização do Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos (PGRS) pela sua empresa. Esse documento indica as formas ambientalmente corretas para se lidar com todos os resíduos, além de ser um ótimo instrumento de gestão.

Mas não para por aí! A compostagem também é uma opção! Ela se baseia na decomposição de materiais orgânicos, para a obtenção de um adubo rico em nutrientes, sendo um processo muito versátil, pois pode ser implementado desde empresas até em residências!

  • Déficit do sistema de saneamento brasileiro

É de se assustar a quantidade de pessoas que, ainda hoje, vivem em uma situação de precariedade de saneamento básico. Quase 100 milhões não possuem acesso à rede de esgoto e 35 milhões, à água tratada no Brasil. Esses são números muito exorbitantes de uma realidade que vivemos.

Fonte: https://www.eosconsultores.com.br/qual-a-realidade-do-saneamento-basico-no-brasil/

Há pouco tempo, foi sancionada uma lei no Brasil a qual libera a privatização do saneamento brasileiro. Para o bem ou para o mal, o cenário no país pode mudar de uma maneira que a água pode sofrer um aumento

Pensando nisso, e na sustentabilidade dessa alternativa, o Sistema de Captação de Água Pluvial, ou seja, da chuva, seria ideal! O sistema permite uma diminuição no uso de água em torneiras, sanitários, chuveiros e na limpeza visto que, com ele, sua empresa ou casa usaria a água da própria chuva. É uma prática sustentável ao mesmo tempo em que admite que os esforços da privatização visem a melhora do cenário do déficit de saneamento no Brasil.

  • Pragas urbanas

As pragas urbanas são conhecidas pela sua alta adaptabilidade e resistência sobre os mais diversos ambientes. Somado a isso, a umidade, a alimentação e o abrigo dos centros urbanos tornam-se atrativos a estes seres e dificulta seu extermínio.

É importante saber que pragas urbanas se referem aos insetos e pequenos animais que se proliferam de maneira desordenada no ambiente, como baratas, escorpiões, ratos, e pernilongos como o Aedes Aegypt, transmissor da dengue e da febre amarela.

Trazendo esse fato para nossa realidade em Londrina, podemos observar dados obtidos pela Secretaria Municipal de Saúde (SMS), nos quais do início do ano até o dia 24 de setembro de 2020 foram notificados 48.724 casos de dengue, 24.118 confirmados, 5.924 descartados e 18.682 casos em análise. 

Como forma de conter a evolução, a Prefeitura está realizando mutirões de limpeza na cidade. Intitulada como “Bota Fora Unidos contra a Dengue”. É importante ressaltar que para um combate mais eficaz contra a dengue é necessário que o cidadão realize limpezas constantes nos quintais de suas casas, eliminando possíveis criadouros do mosquito.

Foto: arquivo CMTU (Companhia Municipal de Trânsito e Urbanização de Londrina)

Por fim, pode-se dizer que a principal razão pela proliferação desses pequenos seres é o crescimento desordenado dos espaços urbanos e a falta de investimentos em necessidades básicas como o saneamento e o gerenciamento de resíduos sólidos. Com isso, uma das soluções encontradas para combater o crescimento desordenado de pragas e a proliferação de doenças causadas por eles, é realizar o Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos (PGRS), onde o principal objetivo deste serviço é identificar, reduzir e destinar corretamente os resíduos sólidos gerados pelas pequenas e grandes empresas, provendo, assim, a diminuição e acúmulo de objetos que podem servir como abrigo para estas pragas.

Com esse conteúdo, você já conhece mais sobre os problemas ambientais urbanos, entendendo como eles influenciam no cotidiano da sociedade e, consequentemente, no da sua empresa.

Além disso, você aprendeu como a sua empresa pode ajudar a diminuir esses problemas que causam tantos impactos nas cidades. Aqui, entra o papel do engenheiro ambiental na resolução desses problemas por meio de projetos sustentáveis, como os citados durante esse blog.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s